Dia Mundial do Ambiente: 4 dicas para uma pegada ecológica

“Dados da associação ambientalista Zero mostram que se cada pessoa no Planeta Terra vivesse como uma pessoa média portuguesa, a humanidade necessitaria de 2,3 planetas para ser autossuficiente.” – Jornal Económico

Isto é verdadeiramente preocupante e assustador! O planeta não tem recursos suficientes para a população que nele habita agora e estima-se que em 2050 a população mundial seja de 9,6 biliões! É preciso agirmos agora ou poderá ser tarde demais. Temos o dever de proteger as gerações futuras e deixar-lhes um legado melhor. É a sobrevivência da nossa espécie que está em causa.

Reciclar continua a ser importante mas já não chega, por isso, se por um lado é preciso poupar e muito, por outro, é preciso consciencializar a população e investir em produtos/serviços mais sustentáveis.

4 dicas essenciais para uma pegada mais ecológica

1. Fazer compras de forma consciente

Quantas vezes compramos coisas que não precisamos e às quais nem damos grande utilidade? E só nos damos conta quando chegamos a casa e olhamos para a compra de uma forma mais consciente! Mas aquela sensação de bem-estar pós-compra leva-nos a querer comprar mais e mais coisas.

Isto acontece porque o nosso organismo produz uma substância chamada dopamina quando experenciamos algo novo, como por exemplo comprar uma nova peça de roupa. A dopamina é aquilo que te apanha desprevenido no shopping e te leva a tomar decisões das quais te arrependes mais tarde ou que te incita a fazeres compras quando te sentes mais em baixo.

Investigadores sugerem que nos afastemos de uma compra quando conseguimos percepcionar aquela vontade enorme de comprar e regressemos no dia seguinte à mesma loja. Isto eliminará o fator novidade e permitir-nos-á fazermos compras mais conscientes.

No meu caso, também é muito útil colocar-me a seguinte pergunta quando estou perante uma compra não planeada: “Isto é mesmo indispensável para mim ou consigo viver sem isto?”. O que está muitas vezes por detrás do ato de comprar são necessidades emocionais que não estamos a preencher por alguma razão. Será interessante estarmos mais atento a isso e percebermos de que outras formas, mais ecológicas, podemos satisfazer estas necessidades.

Além disto, é importante optar sempre que possível por produtos de comércio justo, produtos constituídos a partir de materiais reciclados e idealmente de produção local. É igualmente importante privilegiar os alimentos biológicos e fazer uma alimentação mais consciente. Precisamos mesmo de fazer 5 refeições por dia e ingerir a quantidade de alimentos que ingerimos?

Estas dicas têm um impacto não só no nosso meio ambiente, mas também na nossa forma de viver e na nossa carteira 🙂

2. Reduzir a quantidade de plástico

O impacto ambiental de lixo plástico tem ganho relevância ultimamente e já deu para perceber a sua gravidade, principalmente, pelos depósitos de plástico no oceano tendo-se tornado uma verdadeira preocupação ambiental para governos, cientistas, ONGs e pessoas comuns do mundo inteiro.

Um estudo realizado durante seis anos pelo 5 Gyres Institute estimou que há cerca de 5,25 trilhões de partículas de plástico a flutuar no oceano, o que é equivalente a 269 mil toneladas de plástico. E o pior é que parte desse plástico – na forma de microplástico – acaba por entrar na cadeia alimentar e por prejudicar diversos organismos, inclusive humanos.

Para reduzirmos a quantidade de plástico, é preciso envolver toda a população e fazer algumas mudanças bem simples:

  • Instalar um filtro de água em casa e utilizar uma garrafa re-utilizável. Quem não puder instalar o filtro, pode optar por comprar água em garrafões em vez de garrafas.
  • Comprar alimentos a granel e utilizar sacos ecológicos para carregar as compras.

3. Reduzir o consumo de água

75% da superfície do planeta é recoberto por massas líquidas, no entanto apenas 3% da água do planeta é doce. Isto é, 72% da restante água não é própria para consumo humano nem para a produção de alimentos!

A quantidade de água doce produzida pelo seu ciclo natural é hoje basicamente a mesma que em 1950 e deverá permanecer inalterada até 2050. Essencial para a vida, a água doce tornou-se um problema em todos os continentes pois enquanto que as sua reservas diminuem, a demanda cresce de forma dramática e a um ritmo insustentável. Os comportamentos humanos que vão do desperdício à poluição, agravam ainda mais esta situação, resultando numa relação desigual entre natureza e seres humanos.

Algumas medidas que podemos implementar já para reduzir o consumo de água:

  • Evitar deixar a água a correr enquanto lavamos os dentes ou desfazemos a barba;
  • Diminuir o tempo do banho e fechar o chuveiro sempre que possível;
  • Uma descarga completa da sanita consome entre 6 a 10 litros de água, por isso, devemos usá-la de forma consciente. Não colocar lixo na sanita;
  • Re-aproveitar a água da chuva e do banho para a descarga da sanita ou para lavar o terraço;
  • Utilizar a máquina da loiça e da roupa só quando estiver cheia e optar por lavagens curtas;
  • Resolver eventuais fugas de água;

4. Escolher meios de transporte mais ecológicos

O tráfego rodoviário é o principal responsável pela poluição na Europa! Um estudo feito em 10 cidades europeias concluiu que 14% dos casos de asma crónica na infância devem-se à poluição rodoviária.

O problema deste tipo de poluição vai muito além da nossa saúde e é outro meio onde conseguimos fazer escolhas mais sustentáveis e ecológicas, tais como:

  • Viajar de transportes públicos;
  • Fazer o percurso até ao trabalho a pé ou de bicicleta, caso o percurso seja curto;
  • Partilhar o carro com outras pessoas que fazem o mesmo trajeto diário;
  • Quando as opções anteriores não forem possíveis, comprar um carro elétrico pode ser uma solução.

 

Para mais informação sobre ações que podemos tomar para um planeta mais sustentável, consulta estes sites:

Cuidemos do nosso ambiente de forma consciente!

Autora: Marta Cunha

Deixe uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.