Ensinamentos da mãe Natureza por Anabela Seabra

E tudo aquilo que procuras, já existe dentro de ti.

Foi esta a voz que ecoou enquanto desfrutava de uma caminhada pelo meio da natureza. Curioso como por entre as árvores ainda despidas, a terra, o som dos pássaros, a queda de água lá ao fundo, as pedras, o vento que se encontra comigo, é possível encontrar tantos ensinamentos.
Antes de nós, já a natureza ocupava o seu espaço, sem maquilhagem, sem filtros, bela e imperfeita, inquietante, serena e tantas vezes silenciosa. E quando nós aparecemos, em vez de sermos alunos dela, por outro lado, fomos sendo arrastados para a utopia da perfeição, para a alucinação do controlo e da razão, para a necessidade, quase doentia, da culpabilização, da desresponsabilização, da inquietação, da angústia, do conflito interior, do medo, da raiva, da fúria.

Mas que fúria afinal é essa quando comparado com as enormes ondas do mar que batem nos rochedos e que parecem fazer tremer? Queremos nós ensinar ao mar como estar furioso? Queremos nós controlar a natureza sobre como estar calmo? Nós, ensinar a natureza sobre o que é belo?

Não seremos nós descendentes dela? Não seremos nós feitos da mesma essência que habita no prado verde com girassóis; na queda da água, no verde e castanho das árvores, no silêncio do campo, no calor da areia, no misticismo das nuvens, no perpétuo azul do céu.
Para quê a ânsia do controlar, se o rio nos ensina que a água é para deixar fluir? Para quê apressar, se o vento me mostra que a vida é para apreciar e sentir? Para quê temer e encolhermo-nos, se o céu nos revela que há uma imensidão dentro de nós? Para quê hesitar, se as árvores nos mostram que existem em nós raízes que nos mantêm firmes, fortes, mesmo apesar das intempéries? Para quê o ruído, se os pássaros nos mostram que a vida tem uma música com uma melodia que nos acalma e faz sorrir? Para quê incendiarmo-nos por dentro, se o mar nos mostra que é possível refrescar e limpar o que não nos serve? Para quê ter medo, se o sol nos mostra que existe dentro de cada um de nós uma luz que nos ilumina, engrandece e torna únicos?

Para quê complicar quando a vida é simples? Para quê colocar máscaras quando podes ser maravilhosamente tu, genuíno, um discípulo da natureza. Do que te escondes? Do que te proteges? Deixa o pano da cortina cair, porque não, agora?

Autora: Anabela Seabra
voosinteriores.blogspot.pt

Anabela Seabra nasceu em Paredes em 1987 e é uma entusiasta por despertar o potencial das pessoas. Paralelamente à atividade de diretora comercial, é life e business coach.

Licenciada em Ciências da Comunicação e Mestre em Comunicação, compreendeu cedo que a área do desenvolvimento pessoal é a que mais a entusiasma. Certificou-se como Practitioner e Master em PNL e, mais tarde, em Coaching. Enquanto coach, é sua intenção facilitar o processo de mudança, garantir o foco e motivação e contribuir para mais e melhores resultados de excelência.

Ver mais artigos da Anabela Seabra >

 

 


Deixe uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.